google-site-verification: google084cdd21c0e55ce8.html
top of page

Inquérito aponta periferia como área mais vulnerável


A população periférica foi a que mais contraiu a covid-19 na cidade de São Paulo, segundo o inquérito sorológico apresentado ontem pela Prefeitura de São Paulo.


A maior incidência do vírus ocorre nos extremos das zonas sul, leste e norte, nos distritos com os mais baixos IDH (Índices de Desenvolvimento Humano), como Grajaú, Jardim Ângela, Guaianases, Jardim Helena, Perus e Brasilândia, dentre outros.


Pelos dados, um morador da zona sul tem quase quatro vezes mais chance de ter a doença do que outro da centro-oeste. Pelo levantamento, 13,6% da população da capital contraiu a covid —o que representa 1.614 milhão de pessoas.


O número pode chegar a 15,8%, pela margem de erro. O dado é semelhante ao da fase 5, de 13,9%, obtido em setembro.


Proporcionalmente, a distribuição da doença é maior na zona sul, com 19,9% de incidência para o total de moradores —ou seja, praticamente um a cada cinco residentes na região.


Na sequência, as mais afetadas são as zonas norte (13,8%), leste (11,8%), sudeste (10,3%) e centro-oeste (5,5%) —essa última voltou aos índices das fases anteriores após ter alta em setembro (com 10,3% na época), o que pode ocorrer por algum desvio na margem de erro.


O perfil de contágio é de pessoas jovens e adultos de até 49 anos, das classes D e E, negros e pardos, que moram em área de IDH baixo, com baixa escolaridade e com baixa escolaridade e que não estão em teletrabalho.


"A doença jogou luz para a desigualdade social na cidade de São Paulo", como observou o prefeito Bruno Covas na coletiva de ontem. Outro dado do levantamento é que 35,3% dos casos foram assintomáticos. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo"

コメント


background dr. jorge do carmo.png

Mandato popular
que SP precisa!

foto oficial dr. jorge.png
bottom of page